Janete Ribas: fascinante

Uma mulher exuberante, chique, poderosa e, ao mesmo tempo, tão espontânea e naturalmente engraçada. Esses requisitos tornam Janete Ribas um ser genuinamente fascinante

Sabe aquelas pessoas que são engraçadas sem perceber? Sabe aquelas pessoas naturalmente carismáticas, que já olham sorrindo? Sabe aquelas pessoas que surpreendem sempre para o bem? Então, essas pessoas são fascinantes e umas delas é Janete Ribas! Eu a conheci há alguns anos, muito rapidamente, na casa de um sobrinho dela, que é muito amigo do meu marido, Rodolfo. Desde então, todas as vezes que nos encontramos, Janete sempre olhou para mim com um sorriso gostoso. Esses breves encontros foram nos aproximando e, de repente, ficamos amigas. Que delícia! Como eu adoro as histórias e o jeito ingenuamente engraçado dela ser. Eu me divirto com sua espontaneidade.


 
Uma vez, estávamos no aeroporto em São Paulo e tivemos que tirar os sapatos para passarmos no raio-X. Deram-nos aquela “touquinha” para colocar nos pés e passamos. Na hora de tirar o acessório e colocar os sapatos novamente, Janete soltou: “Eu adorei essa touquinha, Letícia. Vou ficar com ela. Por favor, coloque meus sapatos nessa bolsa e vamos”.  Janete andou o aeroporto inteiro com as toucas nos pés, tranquilamente, e eu fui me divertindo atrás. Como adoro pessoas assim: seguras de si, espontâneas e carismáticas. Essa é minha querida Janete, que, aos dez anos, já ia a Paris com a mãe fazer o guarda-roupa da temporada. Que luxo!
 
Janete conta que sempre gostou do belo, principalmente de joias, que, para ela, são uma paixão e também um investimento. “Prefiro comprar uma joia a uma bolsa cara, que cai de moda e desvaloriza. Joias são um investimento, nunca desvalorizam”, explica. Ela compra em vários lugares, principalmente quando viaja para a Turquia, país de seu marido. “Eu amo a Turquia e as coisas de lá: as joias, as peles, os tapetes, as toalhas, enfim, tudo”, reforça Janete, dizendo que lá os preços são bem mais acessíveis do que aqui no Brasil.
 
Engraçada sem perceber e também chique naturalmente. Isso fascina! Quando alguém a vê, cheia de joias, roupas luxuosas e morando em uma casa linda, não imagina que por trás dessa imagem existe uma pessoa meiga, sensível e que toca um piano de arrepiar. Estive na casa dela e esse foi o melhor presente que recebi. Ela tocou “Fascinação” para mim, sem saber que essa é uma das músicas que mais gosto. Esse tipo de demonstração de carinho espontâneo é o que mais me encanta nela, por isso, para mim, Janete é fascinação: “Poema divino cheio de esplendor. Teu sorriso quente, inebria, entontece. És fascinação, amor”. Que delícia poder conhecê-la um pouco mais e ser sua amiga!